“Coelho não bota ovo – muito menos de chocolate!” por Simone Quaresma

Screen Shot 2014-04-17 at 1.21.34 PMDar ovos de chocolate aos nossos filhos ou não???? Esta dúvida tem cercado muitas mães desejosas de ensinar as verdades bíblicas aos seus filhos pequenos. O que fazer ante a propaganda maciça na televisão, escola e meios de comunicação em geral? Você está lá, lutando para ensinar ao seu filho pequeno sobre ressurreição de Cristo, seu sacrifício vicário e expiatório, seu sofrimento carregando o pecado dos eleitos e… eis que a mídia surge e resume tudo isso a um pedaço de chocolate bem embalado! O que fazer? Dar o famigerado “ovo de páscoa” à criança e explicar que aquilo não tem o menor significado? Não dar nada e não explicar nada? Não dar e explicar o porquê? Estas perguntas têm rondado a cabeças de pobres mães às voltas com a pressão feita por seus filhos pequenos. Eles exigem seus ovos de coelho! O que fazer? Leia mais »

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

[Cantinho da Criança] Pentecostes por Diana Kleyn

aPor que Jesus teve que voltar ao céu depois que ressuscitou dos mortos? Não teria sido melhor Ele ter ficado na terra? Não teria sido melhor Ele ter ficado aqui para governar e ajudar o seu povo? Não, crianças, pode parecer que isso teria sido melhor, e é bom que vocês queiram que Jesus esteja perto de vocês, mas Deus sabe muito melhor do que nós o que é bom para nós.

Jesus terminou Sua obra nesta terra e estava pronto para voltar ao Seu amado Pai no céu. Jesus sofreu muito durante seus 33 anos nesta terra pecaminosa, mas depois Ele pôde entrar na glória: Seu sofrimento terminou e a salvação foi conquistada para o Seu povo. Se quiséssemos manter Jesus na terra para que Ele reinasse sobre seus inimigos, seríamos como os discípulos e as multidões que pensavam que Jesus tinha vindo para estabelecer um reino terreno. Ele já governa o céu e a terra, juntamente com o Seu Pai e o Espírito Santo. Podemos ir a Ele a qualquer momento, através da oração, e Ele prometeu nos ouvir. Leia mais »

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

“Socorro! Meus filhos estão vendo pornografia!” por Tim Challies

Screen Shot 2014-04-16 at 12.55.41 AMEu escuto isso com tanta, tanta frequência: “Socorro! Meus filhos estão vendo pornografia!” Há uns dias atrás uma mãe me escreveu para dizer que ela e o seu marido permitiram que seu filhos adolescentes acessassem a Internet para jogar online, pensando que eles haviam ensinado e treinado seus meninos bem o suficiente para que eles fossem capazes de resistir qualquer que fosse a tentação com a qual eles se deparassem. Eles estavam errados, e tinham acabado de descobrir que nos últimos quatro meses, quando a mamãe e o papai saiam de casa para um passeio romântico ou para resolver alguma coisa na rua, os meninos ficavam vendo pornografia. O que eles deveriam fazer? Como eles deveriam reagir? Leia mais »

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

[Mulheres da Bíblia] “Lia: A Vitória Contra a Idolatria do Coração” por Pr. Charles Oliveira

Lia e RaquelQuando se fala nos patriarcas Abraão, Isaque e Jacó, e suas respectivas esposas, pensamos em Sara, Rebeca e Raquel. Jamais ouvi alguém citar Lia como esposa de Jacó e exemplo de vida piedosa e de confiança em Deus. Uma simples consulta a qualquer banco de dados de um cartório revelará inúmeros registros com o nome Raquel, mas poucos com o nome Lia. No entanto, esta é uma das maiores injustiças que a galeria dos antigos crentes poderia ter feito com alguém de importância tão significativa nas narrativas bíblicas.

Raquel recebeu destaque por sua beleza. Afinal ela era “formosa de porte e de semblante” (Gn 29.17). Também foi vista primeiro por Jacó, quando este chegou de viagem até o poço onde as ovelhas bebiam. Lia tinha “os olhos baços”, literalmente “fracos” ou “tristes” (Gn 29.17). Seja qual fosse a cultura naquele tempo, Lia não estava dentro do padrão de beleza que chamasse a atenção; não era bela, não causava encanto. Curiosamente, Jacó buscou a beleza em primeiro lugar e se apaixonou por Raquel. Mais tarde, a Escritura iria registrar: “enganosa é a graça e vã a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, esta será louvada” (Pv 31.30). Leia mais »

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

[Mulheres Prendadas] Salada de Abobrinha e Berinjela

DSCN7332

Quem acha que salada é a coisa mais sem graça do mundo ainda não foi apresentado a uma bela salada de abobrinha e berinjela. Esta salada serve bem umas 4 pessoas e não dá trabalho nenhum: é cortar, arrumar no refratário, investir nos temperinhos e deixar o forno trabalhar pra você.

Ingredientes:

  • 1 berinjela
  • 1 abobrinha
  • 2 tomates
  • Azeitonas fatiadas, sal, pimenta e ervas a gosto
  • Azeite

Modo de Preparo: Leia mais »

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

“Mamãe devia ter me ensinado a ser uma Boa Dona de Casa” por Ana Carolina Oliveira

wife-cleaning1Quero, portanto, que as viúvas mais novas se casem, criem filhos, sejam boas donas de casa e não deem ao adversário ocasião favorável de maledicência. 1 Timóteo 5.14 (grifo meu)

Quanto às mulheres idosas, semelhantemente, que sejam sérias em seu proceder, não caluniadoras, não escravizadas a muito vinho; sejam mestras do bem, a fim de instruírem as jovens recém-casadas a amarem ao marido e a seus filhos, a serem sensatas, honestas, boas donas de casa, bondosas, sujeitas ao marido, para que a palavra de Deus não seja difamada. Tito 2. 3 – 5 (grifo meu)

Destas claras passagens sobre a missão da mulher casada, certamente, a função de dona de casa é a menos desejada ou mais polêmica em nossos dias de supervalorização à carreira da mulher fora do lar, renegando-se o trabalho dentro dele, como Deus graciosamente ordenou às mulheres. Leia mais »

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

[Cantinho da Criança] Três pequenas histórias para Crianças por Diana Kleyn

family-worshipUm Pai Ensinado Por Seu Filho

Os pais de Eric fazem culto familiar desde que se casaram, e quando Eric nasceu, incluíram-no também. O menino começou a amar este momento do dia, e quando ele não podia estar presente por causa de doença ou outra razão, ele chorava. Mesmo quando ele ainda parecia jovem demais para entender, o culto familiar era sua parte favorita do dia. Zelosamente ele ouvia a voz profunda de seu pai enquanto ele lia a Bíblia, e solenemente ele se ajoelhava ao lado da cadeira para a oração que se seguia. Leia mais »

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

“Mamãe devia ter me ensinado o que significa ser uma só carne” por Simone Quaresma

634235947842458911-bride-groom-beach-walk-at-sunsetBem sabemos que quando homem e mulher se unem, eles precisam deixar os pais. E este deixar envolve conceitos muito mais amplos do que simplesmente um deixar físico. A partir daí o novo casal se torna uma família e deve lutar com todas as forças para criar seu próprio estilo de vida, hábitos e valores, que será só daquela família, de mais ninguém. Por vezes este processo pode ser traumático. Mas não precisava ser assim. Mamãe devia ter me ensinado desde cedo, que, a partir do casamento, os dois tornam-se um e que vários desdobramentos advêm desta verdade. Como posso ser bênção para ele também nesta área? Como posso, na prática, ser uma só carne com meu esposo? Leia mais »

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

“Aborto: Não Basta Ser Contra” por Lucas Freire

follow-me-what-do-you-see.jpg.crop_displayEntre nossos políticos e burocratas, assistentes sociais e ativistas, militantes e intelectuais, existe uma tendência a tratar o aborto como prática normal, e sua liberalização como um alvo desejável. O aborto que se pretende legalizar no Brasil é um tipo de homicídio. Os que desejam sua legalização querem que o governo promova aquilo que é mal e dificulte aquilo que é bom. Nessa inversão de vida e morte, a mulher que teme a Deus nada contra a corrente da sociedade contemporânea. Faz ela muito bem.

Porém, sua estratégia muitas vezes é incompleta. É que, em diversas ocasiões nosso combate ao mal deixa a desejar, não vai além do básico. Para não dizer falso testemunho contra o próximo, basta fechar a boca. Para defender a honra do seu próximo, em palavra e pensamento, é preciso um esforço consideravelmente maior. Na luta contra o pecado, a tendência é pensar que basta não fazer o mal. É muito mais difícil ir além, promovendo ativamente o bem que esse pecado fere. Leia mais »

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone